RSS

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Classificados


Brancas, negras, amarelas, emos, roqueiras, funkeiras, pobres, ricas, doentes, saudáveis, boas, ruins, honestas, ladras, etc.
Classificadas, todas estão, falta apenas o VENDE-SE para que possamos obter lucro de mais uma invenção humana. Sim, ela é negra, branca, amarela, mas não esqueçamos: ela é pessoa. Ela tem família, sonhos, desejos, e uma porção de coisas que não vem nos classificados e que para sabermos precisamos querer, mas como uma maioria importa-se somente consigo mesmo, essas verdades, como várias outras, serão esquecidas e habitarão somente o peito daquele que sofre as conseqüências de uma verdade que poucos conhecem.
Na aurora dos pensamentos éticos, deixemos todos de ser máquinas e nos tornemos Homens. Assim deixaremos, verdadeiramente, de nos importarmos com classificações e talvez enfim aprenderemos que somos todos iguais e devíamos todos lutar em prol do mesmo objetivo.
O homem é inteligente suficiente para inventar grandes coisas, mas é ingênuo demais, à ponto de deixar que essas se voltem contra ele.”

sábado, 12 de dezembro de 2009

Para o menino

És um pássaro e necessitas voar. Nem sei como vieste parar nesse jardim. Talvez embriagado pelo perfume das rosas, talvez precisasse mesmo de um tempo longe do passaredo, a verdade é que um pássaro sozinho não faz verão e, portanto, precisas voltar.


Precisas voltar por que por mais que queiras ter a auto-suficiência dos pássaros de grande porte, por mais que hoje já não sejas mais um filhotinho e tenha crescido suficiente para seduzir qualquer olhar, seja esse de qualquer espécie, com suas cores, tu ainda és jovem pássaro, e precisas ainda do calor das asas dos teus pais.

Quanto às flores que neste jardim ficam, elas esperarão por ti mesmo com a incerteza de que tu voltes e quando, enfim de volta estiveres, elas finalmente poderão exalar seu mais precioso perfume como se dissessem que enfim sentiram a alegria esperada por tanto tempo, e haverá, de novo, a unção das tuas cores embriagadoras com o perfume exalado pelas flores que te esperarão e enfim poderão dizer que mesmo sem se tocar, um completou o outro, pois as flores não existem sem o pássaro, e a vida do pássaro não é tão cheia de vida, sem as flores.

Vá pássaro, espero que te divirtas cantando e voejando pelas montanhas de tua terra (ou céu, devo dizer) e na volta, traga pras flores a alegria que teu canto suave e inebriante é capaz de proporcionar, que elas te guardarão seu melhor aroma para dar-te na chegada.

E verás: mesmo te amando as flores te deixarão ir, pois precisas voar, e o amor habitado por elas as faz entender que, quando se ama deixa-se livre voejar para outros ares, pois toda volta é um novo começo e todo começo traz consigo o sabor de expectativa que alegra os amantes.

sábado, 5 de dezembro de 2009

A nova face de mim que eu não conheço



O ano passou e agora muda-se, muda-se as estações, o clima, os dias, meses e não é só ele que muda: nós pessoas, também mudamos. Inventamos relógios para medirmos o tempo, mas somos incapazes de pará-lo. E é graças a esse fato que amadurecemos, evoluímos e aprendemos a lidar melhor com a velhice.
Não é que me sinta mal ou arrependida de ter crescido, até porque, de nada adiantaria, apenas padeço por não saber ao certo que mudanças aconteceram em mim desses tempos pra cá, sei que houve, pois mudou o jeito que pessoas olham pra mim, que falam comigo e até o jeito de elas pensarem em mim, eu acho. E sei lá, me arrependo de não ter notado o momento em que essas mudanças ocorriam, não notei o quão rápido foi e, por isso, magoei muita gente e hoje nem sei por quê. Quero correr atrás pra saber o que aconteceu e quem sabe pedir desculpa por algum erro que cometi sem saber, mas dizem que sou madura demais pra correr atrás de pessoas, afinal mulheres não devem correr, e muito menos atrás de pessoas, é isso que dizem.
Sinto-me cansada, só, e perdi a maioria dos amigos que poderia ter e não tenho, pelo simples e pontiagudo fato de ter me afastado das pessoas por algum motivo que eu desconheço. É triste esperar pela primavera quando tudo que se pode ter é o outono. Esperei das pessoas, uma pista para que eu pudesse aprimorar em mim o que tem de ser aprimorado e esperei de mim, entender essa pista, em um dos dois eu falhei.
Bem, do que sobrou de mim resta apenas alguém disposta a pedir desculpas a não ser que não saiba o motivo para tal. Quanto ao mais... Preciso me conhecer desse novo jeito pra só aí, dizer quem sou e então partir pra uma nova aventura, a aventura de entender-me.
É complicado pra mim, dizer quem escreveu o texto, Renata antiga ou nova? Com meia certeza afirmo que foi a nova, a antiga estaria distraída a brincar com suas bonecas.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Passarinho



Passarinho, estás aqui, preso comigo. Sentirei sua falta quando tiveres de partir mas saberei que quando fores é por que talvez já estejas preparado. Trarei- te sempre comigo e pra sempre lembrarei o teu canto. Sentirei eternamente a falta de jamais voltar a ver-te e isso não será suficiente pra trazer-te de volta a mim. Espero que lembres, caso não, dormirei na esperança de voltar a ter-te. Vás, mas aqui em mim estarás pra sempre. Pássaros merecem voar mas é preciso retornar ao ninho pra reviver boas lembranças.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Tu


És um mistério
Um elo entre o céu e a terra que faz parecer que tudo é a mesma coisa insignificante.
Fazes-me pensar em coisas nas quais eu nunca tinha sequer pensado em pensar.
 E me fazes dizer palavras que, quando pronunciadas, mostram-me o significado que um ato mesmo que vil, seja ele qual for, tem.
E mostra-me a força de um sentimento que é maior que o maior, e bem mais forte que tudo que existe.
E me fazes tremer e temer.
E tremo quando chegas perto e temo quando vais pra longe.
E me deixas boba, a esperar de ti um sorriso.
E eu fico boba pensando no teu olhar.
E nas tuas mãos, e nos teus braços, e nariz e perna, és todo.
Todo universo. Todo brilho. Iluminação.
Mas sou reles, uma simples e mortal.
E desejo-te com amor simples e eterno.
E desejo-te com desejo inabitado.
E te amo com a doçura colorida de quem não sabe o que é desejo.
E te amo com o desejo incontrolável de saber o que é teu beijo.
És assim.
E és menino. Poesia. Música e abnegação.
E me encantas.
Tu és meu menino.
E eternamente.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Sei lá

Se eu te perguntasse você me responderia quem você é?
E se minhas duvidas a seu respeito ferissem seu orgulho de macho, o que você faria?
O que me dirias se soubesses que não te acho o cara mais legal?
E que teus olhos não brilham igual aos meus?
Qual o teu segredo? O que tu escondes atrás desse papo cabeça?
Podes me contar? Ou será preciso uma queda livre pra que eu possa saber o que se passa contigo?
Você é viagem, loucura, amor, perdição, você é boca e é todo olhares e quando fala, eu sou todo ouvidos.
Quero presumir quem tu és, mas são poucas as informações que tenho.
Por isso deixo-te alado vagando no vazio que sou eu nas tuas interrogações.
Prendo-te e largo-te tentando em vão te fixar em mim, mas és pássaro!
Precisas voar!
Mas precisas?
Precisas?

sábado, 21 de novembro de 2009

Conjectura

Quando o tempo de guerra tiver passado e só tiver sobrado a alma do mundo, só restará a nós descobrir como entendê-la. Procuraremos nos rios poluídos, nos animais mortos, no barulho de uma guerra que no fundo não acabou e passarão anos e anos sem que nós possamos compreender a matéria da qual tudo que existe foi feito. Conversaremos sem chegar à conclusão alguma, muitos desistirão e aqueles que continuarem perderão o que tiverem e sucumbirão. Sobrará um tipo de cada coisa que habita, e esse tipo se unirá para formar uma coisa só. Não será nem homem, nem bicho, nem coisa, será Deus e sua alma.
Antes que essa transformação ocorra, os homens que sobrarem desvendarão o mistério do mundo e perceberão que a alma de Deus está presente no silêncio e só podemos ouvir e compreender esse silêncio quando decidirmos escutar nosso coração.
Ele que sempre está certo, ele que fala tão baixo para aqueles que não sabem que tudo é proveniente de uma coisa só e mais ainda com aqueles que não querem aprender sobre isso.
E os homens que souberem ouvir serão chamados guerreiros e trarão dentro de si a capacidade de se transformar em qualquer coisa por que entenderão que tudo é matéria e não se desintegrará.
Seremos amor e pedra e compreenderemos que não há diferença. Realizaremos nossos desejos e seremos parte de uma coisa bem maior. Independente da idéia que fizermos de Deus, nós saberemos que ele existe, mesmo que dentro de nós. Seremos bons e capazes de transportar felicidade, portanto seremos felizes e saberemos o que isso significa.

Vida Louca Vida... Vida Breve...

Viver é uma aventura que muita gente se recusa a participar.
Prefiro sentir o vento bagunçando meus cabelos. Minha mãe sempre me disse: sou exagerada demais. Não estou em cadeira de rodas por isso fico a voar. Vôo sem rumo, eu vou sem rumo pra onde o vento me levar.
Aprendi cedo que só o mundo ensina. Quero aprender com ele e ser feliz à minha maneira.
Felicidade é coisa que o povo inventou pra ter o que desejar, a minha eu faço do meu jeito e não me importo com a opinião clichê das pessoas que acham que são normais, eu não: Sou louca e prefiro assim, ser normal é pra quem esqueceu que o mundo não para de girar e numa volta dessas pode ser que você rode. Vivo desejando e consigo tudo que quero só pra ter mais o que querer.
Meu eu sol brilha só pra mim e não me prendo em lugar nenhum. Sou eu mesma do meu jeito e não sei pedir licença. Comigo a coisa flui diferente, faço acontecer sem medo do porvir, deixo esse medo pra quem quer ter medo, o meu limite é outro: meu limite é o limite do limite, e ainda assim eu o tento ultrapassar. É tudo ou nada meu amor, vamos voar e eu te levo pra terra do nunca. Não sou de ninguém nem de lugar nenhum, meu lugar é o mundo e desse eu não abro mão. Vamos ver no que é que dá, se não der nada a gente volta. Tempo não se perde, tudo vale a pena.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

carta V

Meu amor, a saudade aperta meu coração e não sei se posso agüentar por muito tempo. Quero te falar o que sinto mas meu medo parece ser maior que minha vontade, ou talvez o medo me tire essa ambição, deixando comigo só o desejo. Ai, desejo esse que me mata.
Parece clichê mas é tão veemente em mim.
Pensar que um dia a rebelde se entregaria e assumiria que pertence a alguém. Preciso de ti ou simplesmente tirar-te da cabeça; simplesmente, para embelezar a frase mas afirmo-te que não é tarefa fácil. Pelo menos pra mim. Pelo menos para os que amam!
Quero poder dizer-te que te amo, sem esse medo que em mim habita, também não quero sofrer com a angústia de não poder te abraçar na hora que me apetecer. Mas por enquanto meu contento são teus olhares que mesmo sem brilho, a mim ainda se dirigem. Quero pode dizer-te o que sinto de um jeito que não seja esse. Meu medo não permite e meu orgulho quase morto também não. Finalizo mais esta, com um buraco no peito que atravessa o coração. É triste te amar e não poder te dizer isso. I need you Love but you can’t know.
Te amo.

Apenas mais uma de amor

Meu amor, a saudade aperta meu coração e não sei se posso agüentar por muito tempo. Quero te falar o que sinto mas meu medo parece ser maior que minha vontade, ou talvez o medo me tire essa ambição, deixando comigo só o desejo. Ai, desejo esse que me mata.
Parece clichê mas é tão veemente em mim.
Pensar que um dia a rebelde se entregaria e assumiria que pertence a alguém. Preciso de ti ou simplesmente tirar-te da cabeça, simplesmente para embelezar a frase mas afirmo-te que não é tarefa fácil. Pelo menos pra mim. Pelo menos para os que amam!
Quero poder dizer-te que te amo sem esse medo que em mim habita, também não quero sofrer com a angustia de não poder te abraçar na hora que me apetecer. Mas por enquanto meu contento são teus olhares que mesmo sem brilho a mim ainda se dirigem. Quero pode dizer-te o que sinto de um jeito que não seja esse. Meu medo não permite e meu orgulho quase morto também não. Finalizo mais esta, com um buraco no peito que atravessa o coração. É triste te amar e não poder te dizer isso. I need you Love but you can’t know.
Te amo.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

sem título

"Que os anos que passam levem com eles a incerteza dos passos e que os que vierem tragam a paz de espírito que busco"

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

A hora da decisão

Ela olhou em volta e percebeu que naquele último momento, estava só.
De novo. Aquele homem alto, forte que alguma vez julgara ser o amante, agora estava longe. Ele decidido estava pelo andar dos acontecimentos, iria embora.
De longe se percebia uma lágrima que dimanava pela face daquela. A única mulher que o amara sem julgamentos ou medos. E ela, sentando- se no banco mais próximo chorou o amor que fora perdido, o mais intenso, o pelo qual valeria à pena...
Aquele amor abrasava seu peito e a sufocava, despiu- se rente ao espelho e tentou em vão trazer ao presente aquele passado tão sereno e veemente, tocou- se no rosto tentando senti-lo.
No caminho para casa ele parou de frente ao relógio de uma igrejinha sem graça e observou com -pode- se dizer rancor- remorso, algo que o incomodava e o fazia arrepiar até as veias: o tempo, inimigo mor dos amantes, não parava sequer um milésimo de segundo pra que ele pudesse discorrer e voltar pedindo o colo daquela mulher tão intensa e esta abraça- lo fervorosamente como se não tivesse havido nada, e só então o tempo voltaria ao seu normal e tudo estaria perfeitamente de volta aos eixos.
Já era tarde e uma chuva fininha caia sobre seu colo, enquanto ele, sentado observava o andar dos ponteiros. Os pingos da chuva se misturavam ás lágrimas ralas que caiam, molhando mais ainda sua roupa e fazendo- o criar coragem para seguir a vida.
Ela, escondendo o pranto como se estivesse a atuar, enxugou o rosto com as mãos num gesto meio rude e voltou- se para a porta, deixou- se voar para aquele momento, como um pássaro com brandura se deixa levar até o predador. Esqueceram por um momento o que se passou e levianamente se deixaram levar pela brisa que batia em seus rostos. Assim se deram conta que deram tudo que tinham, amaram- se da forma mais pura e mesmo assim o tempo e a insegurança os separaram e os levaram a caminhos totalmente dispersos. Sentiam muito, mas já não era bastante.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Soneto do amor total (Vinicius de Moraes)

Amo-te tanto meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Carta VI


Se pudesses me ouvir te diria o quanto tu vais me fazer falta, mesmo sabendo que voltas em menos de uma semana meu coração se agoniza no aperto que é não ter-te por perto. Levarás contigo um pedacinho de mim e aqui eu sofrerei com saudade do que sou quando perto de ti estou. Sonharei com as nossas conversas, mesmo que curtas e lembrarei o quão bom é ver-te passar ao longe e acompanhar teus passos com os olhos.
Aqui ficarei eu à tua espera e, portanto, estarei à espera do meu sorriso e do brilho que um dia pertenceram aos meus olhos. Quando voltares, receberei com o coração ressuscitado a parte que faltou em mim por tanto tempo e me alegrarei novamente por poder ter-te comigo, mesmo que longe. No teu retorno me rejubilarei e poderei voltar a ser o que era, e serei contente, pois terei comigo o brilho das estrelas que agora a teus olhos pertencem.
Ainda terei de deixar passar em branco a data em que eu fui gratificada pelos céus e recebi o maior e melhor presente que poderia receber. Parecia que enfim Deus resolvera ouvir minha rogativa e mandou-te para a terra para com os Homens viver e alegrar minha existência antes tão cheia de tédio, agora posso dizer que sou feliz mesmo que tu talvez nunca olhes pra mim do mesmo modo como meus olhos a ti se dirigem.
Quero te dizer que a data que se aproxima, a que é um pouco antes dessa data já citada, para mim não tem importância é só uma data como outra qualquer e pode ser “comemorada” em qualquer outra época ou dia e sendo assim, teu pedido de desculpa pra mim de nada adiantou, pois era desnecessário. Tua ausência aqui causará tristeza não por esse motivo, e sim por outro que se tu não sabes outros cansados estão de saber: Mesmo eu não querendo acreditar nessa magia má que é o amor, sinto-o por ti. E guardo-te comigo. Vai e não demora, a te esperar estarei eu e levas contigo meu coração que contigo está já há muito tempo.

Oração

Jesus, obrigada pela força que me dás. Obrigada pela saúde que sobra, pelo pão que abunda e pelas amizades, as quais, eu não viveria se não existissem.

Pai, obrigada, pelo sustento que nunca falta. Obrigada pelos amores, mesmo os não correspondidos, pela alegria e também pela tristeza que tu me proporcionas e por essa me oferecer tanto conhecimento.

Meu Deus, por serdes tão misericordioso e sempre me perdoar, por me dares o perdão que eu não mereço, por me iluminar com a mesma luz que iluminas aos outros.

Oh verdade universal, obrigada pelos conhecimentos infinitos que tu me ofereces, obrigada por me deixar escolher, por me deixar errar e enfim, Ser supremo de infinita bondade, obrigada por eu ser feliz.

Ofereço a ti cada momento de alegria que eu tiver. Oferto-te meus sorrisos, minhas lágrimas, minhas verdades e mentiras. Aqui estou eu a teu dispor, ofereço-me a ti, como criação que sou, e dou-te graças pela existência e pela muitas provas de amor que tu me dás.

Pai, dai-me tentações para que eu possa crescer espiritualmente e me aproximar mais de ti, pois preciso da tua presença assim como um filho precisa de um pai. Santificado seja vosso nome, assim na terra como no céu.

Senhor, que eu tenha a coragem e a sabedoria necessária pra perdoar meus inimigos da mesma forma pura e abençoada que tu me perdoas. Que eu tenha herdado pelo menos o espírito do amor sem limite ao próximo e seja capaz de ter sempre a mão que ajuda e a palavra que conforta para com meu irmão.

Livrai-me de todo caminho sujo que eu possa vir a escolher mas deixai eu sofrer as conseqüências das minhas escolhas.

Oh ser único que habita céu e terra, obrigada pela luz, pelo chão, pelo ar, pelo objeto, pela família, pela pessoa, pela natureza, enfim agradeço-te de todo coração por tudo que eu não mereço e tu na tua bondade imaculada me dás.


Obrigada, amém.

sábado, 14 de novembro de 2009

E portanto era tarde demais

Era uma vez uma caneta, e suas cores e seu traço.


E era uma vez uma infinidade de coisas aleatórias. E essas coisas eram felizes para Sempre.

Era uma vez o homem, e sua força e sua coragem.

E eram uma vez, vários seres fortes e corajosos. E eles eram felizes, mas não pra sempre.

Então o homem, ambicioso como é, quis acabar com a felicidade eterna das coisas aleatórias.

Como era mais inteligente, conseguiu.

E conseguindo, trouxe pra si a infelicidade das coisas que agora, infelizes eram.

Foi aí, que o homem que de inteligente não tinha nada, percebeu que tudo fazia relação. E que quando uma coisa quebra no universo, todas as outras coisas quebram-se também.

Arrependido de ter acabado com sua própria felicidade, decidiu enterrar aquilo que já não dava mais pra ser aproveitado.

Foi uma pena, até sua tentativa de suicídio o levara para a terra que ele também havia estragado.

Então fez do bicho sua arma e matou-se por vergonha.

Era uma pena, o relógio também havia parado e portanto era tarde demais.

Porque estava escrito

Procurei em todos os lugares um alguém ou algo no qual a perfeição habitasse. Por onde andava deixava resquícios de uma vontade não alcançada. Encontrei várias pessoas e dentro de cada uma encontrei um brilho que não podia ser definido, algo que dava felicidade e parecia que tinha relação direta com aquilo ou aquele que chamamos de divino, porém eram pessoas comuns que portavam em si defeitos, e, portanto não me satisfaziam. Aos poucos fui me deixando levar pela idéia de que não ia conseguir, foi aí que vi que todas aquelas pessoas que conheci portavam em si um pedacinho da perfeição, e que era inútil tentar retê-la (a perfeição) completamente, afinal ela é como uma Luz: não podemos tê-la por completo mas a quantidade que nos é dada, mesmo sendo insignificante em relação ao todo, é exatamente o quanto nós precisamos.
Então conheci uma Luz, uma que não podia ser apagada, que sempre trazia calor e mesmo assim portava em si defeitos como qualquer outra coisa ou pessoa existente. No começo tornei a me decepcionar, pois não era bem assim que eu queria, mas aos poucos fui percebendo que seu brilho era bem maior que a treva que habita em toda luz. Deixei-me levar e aos poucos com certa vontade e tempo descobri que essa Luz era exatamente aquilo que há tanto tempo eu procurava.
Sentindo-me mais feliz e calma por ter realizado meu desejo guardei essa Luz dentro de mim, guardei não por medo de perdê-la e sim pra guardar em mim a única coisa que era minha antes de eu conhecer e que me pertencia mesmo sem eu ter de possuir. Já estava comigo bem antes de eu saber quem eu era, e tinha tanto valor que seria um erro deixá-la ir sem conservá-la comigo.
 Gabriela Luz, minha luz se apagará sem tua luz pra iluminar-me.


domingo, 8 de novembro de 2009

IRRACIONAL

Fortes, inteligentes e com muito mais capacidade de raciocínio. Idiotas que mentem, roubam, matam-se a si mesmos e entre si. Decepcionam por prazer, matam por prazer, usam-se, e por prazer, maltratam seus familiares. Usam seu próprio veneno para acabar com a sua própria espécie.

Admiro tua capacidade de ser tão generoso, de proporcionar prazer, ser amigo, leal, sincero na medida certa e amar incondicionalmente sem esperar amor em troca, será que ainda és assim? Prefiro acreditar que sim, és.

Usa a lógica para planejar grandes roubos, tua vaidade te obriga a gastar todo o dinheiro que tanto lutou para ter e depois que perde tudo, junta-te com aquele para o qual tu nunca havias olhado antes.

Disparatado, sinto pena de ti. És homem sem palavra que promete e nunca cumpre, veste seu paletó que custou o trabalho de toda uma vida (e essa vida não foi tua), enquanto teu vizinho não tem o que comer. Perdoas em ti, erros de qualquer natureza, mas julgas a inabilidade do teu igual. Tens a coragem necessária para se fazer útil ao próximo e usas essa coragem para aparecer para milhões da tua espécie e fazer-lhes promessas que tu nunca irás cumprir.

Humilha-te por um pedaço de pão que sempre foi teu, deita-te junto com o lixo rejeitado por aquele que como tu, também não tem nada. E sente vergonha de dizer que és pobre, sendo que mais pobre é aquele que não te olha, pois esse é o pobre de espírito e padecerá com as conseqüências dos seus atos.

Ser humano, não direi que tipo de animal tu és, pois no fundo tu já sabes.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Imensurável orgulho do ser que parece ser aquilo que não é.


Hipocrisia daquele que acha que é o que quer ser.


Imbecilizado humano que na sua pretensão


Engana mais a si mesmo do que aos outros.



Despertai vossos olhos e olhai quem vos rodeia


Percebais que nada vos diferencia.


Olhe no espelho e veja a si mesmo


Sem vergonha, medo e pior: sem nenhuma presunção.



Tomai coragem de encarar quem vós sois


Chegou a hora: tirai as máscaras.


Não há espectador


É você e sua única companhia.



Ardiloso, tirai de ti essa face que tanto mostras


E compreenda a verdadeira razão


Da tua existência.



Mordiscai um pedaço do veneno


Que sempre foi teu


E tua suposta face cairá


E quem tu és aparecerá.



Sede cauteloso, pois mesmo no mais intenso escuro


Há uma luz mesmo que apagada.


E no breu que tu sempre habitaste


Há um pouco de ti que te iluminas.



Aqui está o cálice do que tu és


Bebe e olha no espelho tua face desmoronar


Note que no mais ínfimo da tua alma


Habita quem tu realmente és.



Liberta-te de ti mesmo


E vive como Homem que és


Seja qual for teu sexo ou a escolha que fizeste


Aprende que tu não te resumes a isso.




Aprende Homem e tratai de ser feliz.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009


quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Parecia que enfim algo estava se resolvendo
parecia também que os tempos dificeis haviam acabado
Na verdade, havia uma certa incerteza em seu rosto
Seu olhar trazia um certo peso ainda
Talvez por medo de voltar a ser o que foi
Ou até por não saber se devia recomeçar.
Recomeçar é sempre dificil

Implica em novas descobertas.
Parecia que tudo estava muito mal equilibrado
e a qualquer momento seu mundo poderia desabar.
Sentia medo e ao mesmo tempo
era habitada por uma autoconfiança indescritivel e unica.
Era como se fosse possivel chorar e sorrir ao mesmo tempo
pois enquanto queria voltar e chorar eternamente por não ser como queria
aspirava ser diferente e assim destacar-se rente aos outros.
Tentava saidas alternativas que so induziam ao caos e a solidão do inicio.
Era melhor fechar os olhos e acreditar que tudo não passava de um sonho
Quem sabe se acreditasse, esse sonho deixasse de ser sua realidade
e por um segundo e meio tudo que modelava suas certezas
passaria a modelar sua vida e seu modo de sonhar.
E talvez so isso importasse.
Afinal as verdades só são verdades se alguém acredita
e corajoso é aquele que acredita em coisas que nunca foram reais
e se deixa levar pela magia que um sonho traz.

Acreditar nos sonhos é um ato de coragem.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Chão de Giz- oswaldo montenegro

Eu desço dessa solidão, espalho coisas sobre um chão de giz


Há meros devaneios tolos a me torturar

Fotografias recortadas em jornais de folhas amiúde

Eu vou te jogar num pano de guardar confetes

Eu vou te jogar num pano de guardar confetes



Disparo balas de canhão, é inútil pois existe um grão vizir

Há tantas violetas velhas sem um colibri

Queria usar quem sabe uma camisa de força ou de vênus

Mas não vão gozar de nós apenas um cigarro

Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom



Agora pego um caminhão, na lona vou a nocaute outra vez

Pra sempre fui acorrentado no seu calcanhar

Meus vinte anos de "boy, that's over, baby", Freud explica

Não vou me sujar fumando apenas um cigarro

Nem vou lhe beijar gastando assim o meu batom

Quanto ao pano dos confetes já passou meu carnaval

E isso explica porque o sexo é assunto popular


no mais estou indo embora...

Um desabafo e uma medalha

Que se sinta a vontade se não quiser ouvir, que se retire se algo que foi falado lhe incomodar. É que eu já não quero ouvir suas palavras de quem tem toda a razão e me sinto muito incomodada quando tenho que levar em conta os absurdos que você fala baseados na sua lei universal. Se quiser falar, sinto muito. Seu tempo já passou. As pessoas que lhe rodeiam nem percebem e você nem se importa. Afinal, você é a melhor pessoa que você conhece. Na verdade eu sinto muita pena da sua falta de capacidade de compreensão. E sinto vergonha quando você fala, cheia daquilo que você julga ser bom senso, dos seus preconceitos. E sinto pena daqueles que se deixam levar pelo seu caminho.



Sim, você é muito altruísta, inteligente, e tudo que você acha que é, mas de que adianta se o egoísmo fala mais alto e a prepotência sobrepuja?


Cheia de si, você esquece que é importante nos preenchermos também de sentimentos que fazem os outros felizes. Amor, compreensão, respeito e afeto, você acha que tem muito. Na verdade você tem, mas por você mesma, o que não adianta muita coisa, afinal você vive rodeada de seres humanos que não são tão perfeitos quanto você acha que é, mas que também buscam a felicidade guardada para todos e que todos tem a obrigação de procurar. Se encontram, não sei, mas tentam e seria mais fácil se o caminho não tivesse curvas e obstáculos. Obstáculos como você: pessoas cheias de si mesmas, orgulhosas, prepotentes e acima de tudo preconceituosas e crentes que o mundo deve girar ao seu redor.


É preciso aceitar que as pessoas não são propriedade sua e, portanto têm o direito de fazerem as escolhas que julgam ser as certas. E vai além de somente respeitar, atitude muito nobre que você toma e transforma em objeto que o torna vanglorioso. Respeitar é sim sua obrigação, mas seria muito mais ético se você parasse de se importar e fazer seus comentários maliciosos acerca de coisas que nem lhe dizem respeito e muito menos perturbam ou se envolvem com o jeito que você escolheu de levar a vida.


Cheia de defeitos como qualquer pessoa, você ainda acha que a perfeição lhe habita. Com seus preconceitos disparatados você acha que é a dona da verdade mundial e é um absurdo que ninguém nunca tenha lhe dado uma medalha por isso. Repleta daquilo que acha ser a razão absoluta, você julga os outros a partir do seu ponto de vista e envergonha a espécie humana pelo teu conhecimento tão limitado e por seus atos tão indignos de um animal que vive em bando. Você que sempre reclama dos problemas mundiais e é mais uma causadora destes. Você sempre achou que merecia mas ninguém lhe ouviu. Aqui está: Uma medalha! Pro ser humano mais pretensioso do mundo. O primeiro lugar é seu.


domingo, 4 de outubro de 2009

A garota dos sorrisos

A garota dos sorrisos



Essa é a história da garota mais perfeita do mundo. Na verdade essa história conta muito mais do que só isso, fala de como minha vida mudou após ter conhecido a garota perfeita.


Ela tinha olhos cujo brilho causava a inveja de muitas pessoas e seu sorriso tinha o dom de amenizar qualquer dor.


No começo poucas eram as pessoas que percebiam sua perfeição. Na verdade todos percebiam mas raros eram os que se davam conta disso. Seus amigos nunca estavam tristes, pois sempre que batia alguma ponta mesmo que ínfima de tristeza a garota soltava um dos seus sorrisos e como por milagre a alegria voltava à seus rostos.


Eu a conheci na escola e sem me deparar aos poucos fui a deixando entrar na minha vida e hoje ela é parte essencial desta. Reconheço que eu fui uma das pessoas que não perceberam logo que essa era com certeza uma garota diferente, mas como o tempo passa (por mais triste ou alegre que isso seja), sem me dar conta fui sendo empurrada para perto dela. Várias foram as vezes que me vi sem ombro pra chorar e ela (só ela) me aparecia com aquele olhar que já mudava tudo e braços abertos pedindo um abraço. Aos poucos foi me dando cada vez mais vontade de estar perto dela e assim desfrutar da perfeição que era sua companhia, no começo tive muito medo de parecer inconveniente ou mesmo invadir sua privacidade mas ela sempre me deu a liberdade de poder estar com ela, saciando assim meu desejo quase incontrolável.


Hoje sei que continuo quase a mesma pessoa de alguns meses atrás, mas afirmo com certeza que a mudança que houve em mim foi causada pela presença dessa garota e pela sua capacidade de me mostrar com toda paciência que a vida não é pra ser levada tão a sério e que até os heróis podem sangrar. Também agradeço pelas transformações que ocorreram na minha vida e na minha forma de ver o mundo, pois só ela teve a coragem e a paciência necessárias pra me fazer entender cada ensinamento que ela me dava nas coisas que fazia cotidianamente. Me mostrou que a beleza mais importante é aquela que só percebemos quando estamos de olhos fechados, que sorrisos nem sempre refletem o estado de espírito de cada um ou que lágrimas não são só de tristeza. Enfim, agradeço a garota perfeita professora de vida que me ensinou e ensina a viver de verdade e dar importância a cada mínimo detalhe, por que geralmente são os detalhes que fazem a vida parecer perfeita.

Carta ao seu lado bom

Rio de janeiro, dia 29 de setembro de 2009


Saudações, eu estou te escrevendo esta carta por que há muito tempo estou querendo te falar certas coisas. Quero te falar do bem que você me faz e do quanto sou agradecida por ter você em minha vida. Agradecida também por que depois que te conheci passei a ver que a vida é muito mais bonita do que eu antes pensava e cada momento do meu dia é especial por que você geralmente está nele.
Na verdade, esta carta foi feita especialmente para agradecimentos. Quero agradecer- te por existir, por estar na minha vida, por ter aberto meus olhos para enxergar esse mundo de contos de fadas em que vivo agora.
Agora, não é tão incomum acordar no meio da noite, interrompendo sonhos bons contigo, para te fixar no pensamento. Não é tão incomum me pegar sorrindo sem motivo, cantarolar músicas antes consideradas chatas e sem sentido.
Você é uma pessoa tão especial e me dá abraços tão quentes. Eu já não vejo razão em não te colocar nos meus planos para o futuro, pois você é que dá o significado da minha vida. Não sei se você estará sempre na minha companhia, sinceramente acho que não, mas com certeza você estará sempre comigo, pois você é uma parte de mim. Uma parte boa, que me faz sorrir, que me faz ter planos, que me faz cantar, sonhar, brincar feito uma criança. Você faz guerra de travesseiro comigo, você ri do meu sotaque (mais ainda do que eu rio do seu), você ouve minhas músicas velhas e mesmo elas não sendo nem um pouco parecidas com as que você gosta você finge que gosta.
Você perde boa parte da sua noite falando sobre bobagens, você faz projetos comigo, você diz que vai dar a volta ao mundo comigo, você me dá chocolate e reclama quando eu peço mais. Você é exatamente o contrário do que eu queria que você fosse. E talvez se você fosse como eu queria, eu nem ia gostar tanto de você.
Você mente pra mim dizendo que sente saudades.
Eu rio muito sem você saber, de todas as nossas brigas. Eu rio do quanto você se acha madura e gostosa. Eu rio dos motivos das nossas brigas, do desenrolar das nossas brigas e das conclusões destas.
Obrigada por ser assim, desse jeito.

Abraços

Renata Macedo Lima

sábado, 3 de outubro de 2009

Ela olhou em volta e percebeu que naquele último momento, estava só.


De novo. Aquele homem alto, forte que alguma vez julgara ser o amante, agora estava longe. Ele decidido estava, pelo andar dos acontecimentos, iria embora.

De longe se percebia uma lágrima que dimanava pela face daquela. A única mulher que o amara sem julgamentos ou medos. E ela, sentando- se no banco mais próximo chorou o amor que fora perdido, o mais intenso, o pelo qual valeria à pena...

Aquele amor abrasava seu peito e a sufocava, despiu- se rente ao espelho e tentou em vão trazer ao presente aquele passado tão sereno e veemente, tocou- se no rosto tentando senti-lo.

No caminho para casa ele parou de frente ao relógio de uma igrejinha sem graça e observou com -pode- se dizer rancor- remorso, algo que o incomodava e o fazia arrepiar até as veias: o tempo, inimigo mor dos amantes, não parava sequer um milésimo de segundo pra que ele pudesse discorrer e voltar pedindo o colo daquela mulher tão intensa e esta abraça- lo fervorosamente como se não tivesse havido nada, e só então o tempo voltaria ao seu normal e tudo estaria perfeitamente de volta aos eixos.

Já era tarde e uma chuva fininha caia sobre seu colo, enquanto ele, sentado observava o andar dos ponteiros. Os pingos da chuva se misturavam ás lágrimas ralas que caiam, molhando mais ainda sua roupa e fazendo- o criar coragem para seguir a vida.

Ela, escondendo o pranto como se estivesse a atuar, enxugou o rosto com as mãos num gesto meio rude e voltou- se para a porta, deixou- se voar para aquele momento, como um pássaro com brandura se deixa levar até o predador. Esqueceram por um momento o que se passou e levianamente se deixaram levar pela brisa que batia em seus rostos. Assim se deram conta que deram tudo que tinham, amaram- se da forma mais pura e mesmo assim o tempo e a insegurança os separaram e os levaram a caminhos totalmente dispersos. Sentiam muito, mas já não era bastante.

O garoto do sorriso

Porque você tem um sorriso lindo e um jeito lindo de ficar com raiva.


Você é um bobo e não fica bravo quando eu te digo isso. Você tem uma blusa vinho e sabe que quando a veste se transforma como por mágica na mais linda das criaturas e você sempre veste essa blusa. Por que eu perderia metade dos meus dias só pra viver nas tuas risadas. Ai, meu deus, que gostosas que são as tuas risadas. E você tem um cabelo que nunca fica feio, mesmo quando você corta. E quando você corta seu cabelo, você fica mais lindo, então quando você corta e você veste a blusa vinho, eu nem te digo como você fica bonito. E seus olhos, meu deus, que brilho. Quem dera se as estrelas tivessem o brilho dos teus olhos, que felizes elas seriam.

Por que você está sempre lavando roupa e sempre ri quando eu quero te carregar pra qualquer lugar justo na hora que tu estás ocupado. E você briga comigo por isso, mas briga sorrindo então eu sempre volto a fazer só pra poder te ver sorrindo e com raiva que fica mais lindo. E você me ignora e eu finjo que nem ligo. Você tem um jeito único de dizer que está bolado e tem um jeito único de ficar bolado. E quando você está bolado, você fica mais bobo e mais lindo, fazendo um bico desse tamanho.

E você é um garoto mimado que ri dos próprios erros e dos outros. E eu odeio quando você se importa com o que os outros pensam, mas você nem liga. E você nem liga pra mim. E você nem liga pra muitas coisas. E você vive rindo. E você ri do nada. E eu tenho milhares de fotografias suas, guardadas na cabeça. E você nem sabe mas eu estou sempre te olhando e te fotografando, por que você é lindo. E você nem é parecido com galã de novela e você nem é tão perfeito assim. Mas você é tão perfeito que eu nem entendo. É que sua beleza é guardada, e você até tenta não mostrar pra ninguém, mas você nem consegue. Além dos teus olhos, mais bonitos são os teus olhares, além dos teus sorrisos, mais bonitas são as palavras simpáticas que você fala, tentando parecer menos esnobe.

Por que você é um grande esnobe.

Por que você é um escorpiano igual a mim e tem todas as características de um escorpiano, igual a mim e faz aniversario um dia depois de mim.

E você me maltrata, quando fica triste e não me diz por quê. E eu fico pensando em como te fazer sorrir, sem saber.

E eu adoro o sorriso que você dá quando eu te chamo de bobo ou mimado. E eu adoro o modo como você abre a boca quando fala. E eu adoro o modo como você olha. E adoro quando você finge que liga pra mim. E eu rio muito do jeito que você anda. E rio também de como você acorda cedo só pra tomar uma xícara a mais de café. E adoro o seu jeito de ficar preocupado e tento te convencer que não é pra ficar preocupado, mas você faz uma cara assim, como se pedisse pra eu calar a boca. E eu calo.


E eu quero roubar seus olhos quase verdes, e quero roubar também sua boca vermelha que me lembra morangos, nem sei por quê. E quero saber aquilo que você disse que eu não sei sobre você. E quero brigar muito com você. Por que você tem um sorriso lindo e um jeito lindo de ficar com raiva.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Aguçados olhos que em vão procuram a grandeza suprema que há dentro do ser.
 Acentuados sentidos do ser que pretende entender o que os olhos não vêem.
Os calorosos abraços que vem na hora errada e maltratam, fazendo sentir dor aquele que não sentia. O que não sentia nada.
Órgãos carinhosos que fazem o bendito carinho e cospem no rosto o doce veneno.
Fervorosos beijos que chegam atrasados e vão inesperadamente deixando a ilusão de que ainda não acabou.
Braços rudes que mantém relações constantes com aquilo que chamas de abraço. Esses desaprendem rápido aquilo que os olhos demoraram pra entender.
Sentido que engana aquilo que o outro sentido pensa existir.
Tempo psicológico que destina- se ao caminho que os pés não querem trilhar.
Poder de uma forma vulgar, tentando em vão conseguir o que aspira.
Copiosas Lágrimas que acabam no maldito sorriso que ultraja a grande alegria de poder sentir.
Vontade que vai contra o sentir.
Sentimento que se limita ao intervalo entre ódio e amor e fere aquele que luta e o que se amedronta.
Animais, a piedade que não habita teu mundo, não habita teu seio.
A maldição que tu tenta esconder machuca mais a ti do que a qualquer outro ser.
Propaga a idéia que tu queres passar e toda tua espécie se envergonhará
A morte que na tua vida é tão viva, agora não faz mais sentido e teu mundo parece sucumbir. Na ausência de cheiros e de sons é melhor tu irdes embora pelo caminho da volta e assim deixar vazio o lugar que antes nem era teu
.

domingo, 27 de setembro de 2009

Quando você quer alguma coisa, todo o universo conspira para que você realize o seu desejo.

Paulo Coelho

A decisão


Ela olhou em volta e percebeu que naquele último momento, estava só.


De novo. Aquele homem alto, forte que alguma vez julgara ser o amante, agora estava longe. Ele decidido estava, pelo andar dos acontecimentos, iria embora.

De longe se percebia uma lágrima que dimanava pela face daquela. A única mulher que o amara sem julgamentos ou medos. E ela, sentando- se no banco mais próximo chorou o amor que fora perdido, o mais intenso, o pelo qual valeria à pena...

Aquele amor abrasava seu peito e a sufocava, despiu- se rente ao espelho e tentou em vão trazer ao presente aquele passado tão sereno e veemente, tocou- se no rosto tentando senti-lo.

No caminho para casa ele parou de frente ao relógio de uma igrejinha sem graça e observou com -pode- se dizer rancor- remorso, algo que o incomodava e o fazia arrepiar até as veias: o tempo, inimigo mor dos amantes, não parava sequer um milésimo de segundo pra que ele pudesse discorrer e voltar pedindo o colo daquela mulher tão intensa e esta abraça- lo fervorosamente como se não tivesse havido nada, e só então o tempo voltaria ao seu normal e tudo estaria perfeitamente de volta aos eixos.

Já era tarde e uma chuva fininha caia sobre seu colo, enquanto ele, sentado observava o andar dos ponteiros. Os pingos da chuva se misturavam ás lágrimas ralas que caiam, molhando mais ainda sua roupa e fazendo- o criar coragem para seguir a vida.

Ela, escondendo o pranto como se estivesse a atuar, enxugou o rosto com as mãos num gesto meio rude e voltou- se para a porta, deixou- se voar para aquele momento, como um pássaro com brandura se deixa levar até o predador. Esqueceram por um momento o que se passou e levianamente se deixaram levar pela brisa que batia em seus rostos. Assim se deram conta que deram tudo que tinham, amaram- se da forma mais pura e mesmo assim o tempo e a insegurança os separaram e os levaram a caminhos totalmente dispersos. Sentiam muito, mas já não era bastante.


O tempo não para


Disparo contra o sol



Sou forte, sou por acaso


Minha metralhadora cheia de mágoas


Eu sou um cara


Cansado de correr


Na direção contrária


Sem pódio de chegada ou beijo de namorada

Eu sou mais um cara


Mas se você achar


Que eu tô derrotado


Saiba que ainda estão rolando os dados

Porque o tempo, o tempo não pára

Dias sim, dias não

Eu vou sobrevivendo sem um arranhão

Da caridade de quem me detesta

A tua piscina tá cheia de ratos

Tuas idéias não correspondem aos fatos

O tempo não pára

Eu vejo o futuro repetir o passado

Eu vejo um museu de grandes novidades

O tempo não pára

Não pára, não, não pára

Eu não tenho data pra comemorar


Às vezes os meus dias são de par em par


Procurando uma agulha num palheiro


Nas noites de frio é melhor nem nascer


Nas de calor, se escolhe: é matar ou morrer


E assim nos tornamos brasileiros


Te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro


Transformam o país inteiro num puteiro


Pois assim se ganha mais dinheiro

A tua piscina tá cheia de ratos

Tuas idéias não correspondem aos fatos

O tempo não pára

Eu vejo o futuro repetir o passado

Eu vejo um museu de grandes novidades

O tempo não pára

Não pára, não, não pára

Cazuza

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Milton Lopes Lima

Aquele homem que mudou minha vida, me fez ver o quão bela e simples ela pode ser e de um dia para o outro simplesmente me deixou sozinha e saiu sem nem ao menos se despedir. A saudade que eu tenho desse homem é inexpressável e aumenta a cada dia que penso que tão cedo não vou poder vê-lo.
Se ao menos ele pudesse saber que as palavras que não foram ditas, as risadas que foram dadas, os ensinamentos que foram passados, ficaram gravados em mim e com certeza nunca vão ser esquecidos. Até hoje passados dez anos, ainda consigo lembrar com perfeição daquele sorriso que ele fazia questão de nunca tirar do rosto, daquela barriga que ele exibia com orgulho e daquele gosto por forró como só ele tinha.
Esse homem que tanto me fez rir, que tanto me ensinou, que me ensinou a gostar, a ter caráter, a dar valor ás pessoas, e quando eu menos imaginava foi embora e me deixou quase sozinha. Um homem, que eu nunca mais encontrei igual, único. Um que fazia cócegas em mim e que nunca me tirava da cabeça. O único que me ensinou que só é preciso fazer coisas prazerosas, que nossas obrigações só são enfadonhas quando não conseguimos fazê-las da melhor forma possível.
A falta que este homem me faz e quanta dor ela me causa. O quão mal eu me sinto em nunca ter dito obrigada ou eu te amo ao único homem que me deu ensinamentos dos mais preciosos e o que mais me amou e o que se entregou a esse amor puro, sem esperar nada em troca.
O quanto eu amo esse homem mesmo depois de tanto tempo. O quanto eu ainda lembro daquele homem com todos os seus detalhes. As perguntas que eu ainda quero fazê-lo, os carinhos que só ele sabe dar. A falta que esse homem me faz, o vazio que ele deixou em mim. O vazio que ele deixou na minha vida.
O bem que só ele soube me fazer, a falta que só ele soube me fazer.
Aquele homem, esse homem, a falta que este homem me faz, o quanto eu amo este homem. O professor, o sorridente, o único.
Dizer tudo isso pra ele e dizer ainda que ainda o espero pra terminarmos nossa última conversa e por mais tarde que já seja, dizer que eu o amo. E de forma única pra combinar com ele.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Desiderata


Ide tranqüilamente entre o tumulto e a pressa e lembrai-vos da paz que pode existir no silêncio. Sem alienação, vivei tanto quanto possível em bons termos com todas as pessoas. Dizei calma e claramente vossa verdade, e ouvi os outros, mesmo o pobre de espírito e o ignorante; eles também têm sua história. Evitai os indivíduos barulhentos e agressivos, eles são um insulto para o espírito. Não vos compareis com ninguém: correríeis o risco de vos tornar vaidosos. Sempre há alguém maior e menor que vós…
Desfrutai vossos projetos assim como vossas realizações, sede sempre interessados em vossa carreira, por mais modesta que seja: é uma verdadeira posse nas prosperidades mutáveis do tempo. Sede prudentes em vossos negócios, porque o mundo está cheio de malícias.
Mas não sejais cegos no que concerne à virtude que existe: vários indivíduos buscam os grandes ideais e em toda parte a vida é repleta de heroísmo. Sede vós mesmos. Sobretudo não simuleis a amizade! Tampouco sede cínicos no amor, porque em face de qualquer esterilidade e de qualquer desencanto ele é tão eterno quanto a relva…
Aceitai com bondade o conselho dos anos renunciando com graça a vossa juventude. Fortalecei a prudência de espírito para vos proteger em caso de infortúnio repentino. Mas não vos aborreçais com quimeras! Numerosos temores nascem da fadiga e da solidão… Para lá de uma disciplina sadia, sede ternos convosco mesmos. Sois filhos do universo, tanto quanto as árvores e as estrelas: Tendes o direito de estar aqui…
E, percebais ou não, o universo se desenrola sem dúvida como deveria. Esteja em paz com Deus, qualquer que seja vossa concepção dele e, quaisquer que sejam vossas obras e vossos sonhos, guardai no desconcerto ruidoso da vida a paz em vossa alma. Com todas as suas perfídias, as suas tarefas fastidiosas e os seus sonhos desfeitos, o mundo é belo! Prestai atenção…
Tratai de ser felizes.


Texto de Max Ehrmannn, hoje pertencente a Robert L. Bell.

terça-feira, 21 de julho de 2009


fechar os olhos é bem mais fácil, mas não é a solução...

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Deixemos tudo pra amanha, nao nos importemos com o que há de vir. Na verdade deixemos tudo, só deixemos.
Um dia a gente percebe que nem tudo que era bom, era bom de fato e percebemos que as pessoas mais legais não eram senão mascarados. Parece que tudo que tinha valor, hoje é tão supérfluo a ponto de ser esquecido. Então esqueçamos hoje.
Feixemos os olhos e imaginemos os sorrisos. Sorrisos de criança, tão bom que era!
Se pensamos voltamos a viver e lhe damos de novo o valor que tinha. Mas ao abrirmos os olhos veremos que até de uma brincadeira nós não somos mais capazes.
Crescemos, aquela menina que brincava com bonecas hoje brinca com rapazes, as cartas para Papai Noel hoje são cartas de amor. É realmente uma pena perder aquela inocência. E todas as minhas bonecas, e todos os meus brinquedos, e aqueles meus problemas de criança, onde estão?
Foram embora! O tempo que levou minha juventude levou junto tudo isso, hoje fazem parte só das recordações. É, o futuro antes tão desejado acaba de chegar. É realmente o que eu queria? Não! É completamente diferente. Sou mulher. É, enfim sou mulher!
Então minha mente que estava tão colorida clareia- se de súbito e abro os olhos apavorada, era só um sonho. Suspiro, procuro meu ursinho de pelúcia e vou pra cama dos meus pais porque ta escuro e esses sonhos de mulher não me saem da cabeça!

sábado, 30 de maio de 2009

A vida tem disso...

Porque tudo que quero se transforma em escuro
Porque tudo que olho, foge de mim
Porque por mais lindo que seja
Acaba de forma feia
Então prevalece a hipocrisia
Era uma vez uma história com final feliz.
Por que por mais que pareça que tudo esta bem
Não está
Porque nunca está
Nem todos os abraços esquentam
E ainda tem alguns que quando começam a te confortar
Despezam- te e fogem
Os sorrisos que eu achava que eram verdadeiros
Hoje é simplesmente parte do meu passado
Meu olhar demonstra tristeza
Minha alma é o reflexo do meu olhar
Sou completamente contra qualquer tipo de mentira.
Porque ninguém dá a mínima para o que se sente
Porque no mundo e entre milhares de pessoas eu sou só mais uma
Porque por mais que olhem pra mim não me enxergam
Porque a cor de tudo que eu via perdeu o brilho
Eu só sinto dor e pra onde quer que eu olhe está cinza...

Síntese da felicidade (Drummond)

Desejo a você...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos(...)
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado lega
lAprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E o carinho meu.

sábado, 23 de maio de 2009

Na verdade era quase impossível entendê-la, pois talvez nem ela soubesse explicar o que sentia. Seus sentimentos eram tão difíceis de serem explicados e ainda que a pudessem ouvir não a entenderiam. Sentia-se mal por ser do jeito que era, porém não sabia como obter a mudança que tanto queria. Estranhava- se sempre que se via, pois se vendo pensava no quanto queria mudar e chorava porque mudando deixaria de ser o que era por dentro e isso ela não queria, talvez porque seu conteúdo mesmo sendo fraco tinha certa importância mesmo que esta importância só se manifestasse para ela.
Estava sempre cercada de pessoas e sempre se sentia sozinha. Sentia tristeza por isso. E culpa também. Queria muito que houvesse ao menos uma pessoa capaz de entendê-la e como talvez não existisse, sentia que tudo era por sua culpa e achava que se era assim nunca ia deixar de ser. Chorava mais quando pensava no futuro e por isso aos poucos fora deixando de pensar. Achava que futuro era coisa pra poucos e que ela sendo pouco jamais alcançaria um pra si. Ela era fraca, simples e jamais, mesmo que quisesse, conseguiria se unir a alguém de forma que esse alguém a entendesse e a completasse. Ela era só. Havia se conformado com isso, sabia que era inferior- Isso alguém a disse, um dia- e como se conformava com tudo também a isso se conformara. Às vezes tinha a impressão de que toda a tristeza que sentia era passageira, porém passageira era essa impressão e não demorava muito pra ela descobrir isso. Mesmo sabendo que raramente podia confiar nas pessoas, ainda cometia esse erro e depois chorava mais ao descobrir que estas não lhe eram dignas de confiança. Sua vida talvez não valesse muito à pena, mas isso digo eu que nada sei da vida. Pra ela, mesmo vivendo todo dia a mesma coisa, achava que aquilo a que se disponha todo dia, durante 24h era interessante. E talvez realmente sua vida tivesse algum valor. Ao ver sua imagem refletida sentia tanta angústia que aos poucos também fora deixando de se olhar.
 Ninguém nunca a chamara de “bonita” e a frase “eu te amo” só ouvira na televisão. Na verdade eu acho que ela mesma não tinha vontade de existir, mas já que existia tinha que viver. Era como se alguém a obrigasse e a lembrasse todos os dias, que ela tinha de viver. Se queria ou não, tanto faz. Ela já havia pensado muito em ir embora porém como costumava pensar muito antes de falar alguma coisa decidiu pensar antes e pensando lembrou- se de alguém que um dia a disse que quando se morre vai- se pra um lugar frio e triste, então ela com mais medo da morte que vontade de viver desistiu de desistir da vida.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Estrada nova _ Oswaldo Montenegro

Eu conheço o medo de ir embora
Não saber o que fazer com a mão
Gritar pro mundo e saber
Que o mundo não presta atenção
Eu conheço o medo de ir embora
Embora não pareça a dor vai passar
Lembra se puder
Se não der esqueça
De algum jeito vai passar
O sol ja nasceu na estrada nova
E mesmo que eu impeça ele vai brilhar
Lembra se puder
se não der esqueça
De algum jeito vai passar
Eu conheço o medo de ir embora
o futuro agarra sua mão
Será que é o trem que passou
ou passou quem fica na estação?
Eu conheço o medo de ir embora
E nada que interessa se pode guardar
Lembra se puder
se não der esqueça
De algum jeito vai passar

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Os dias passam, têm de passar.
As pessoas correm. Têm de correr?
Minhas dúvidas são fúteis, meu pensamentos... Eles fogem de mim. Meu amigos... Poucos. Também pouco tempo, pouco lazer, pouco de tudo e muito, muito de nada.Sorrisos? Muitos. Verdades? Raras.
Uma coisa só pode ter muitos nomes, mas por mais bonito que este seja não vai mudar o significado da palavra.
Triste? Não sei bem se é a palavra certa. Acho que estou... Melhor deixar pra lá!
Me sinto insignificante, minhas palavras se voltam contra mim e me ferem teimam em me contrariar.
Lugares grandes e vazios eu habito. Pessoas olham pra mim e me julgam. Como inútil que posso ser. Números, números e números, pra quê? Pra mostrar o quanto tenho que melhorar. E muito. Meu silêncio deveria camuflar o que eu sinto ou penso mas ele só da mais ênfase a isso. Minhas palavras saem quase como um sussurro e me acusam mais ainda.
Nunca tive tanto nada nem tanto medo do nada.
Fugir é minha saída. Sim! Fugir igual a um animal que se sente encurralado.
Minha espécie é completamente diferente, não vivemos em bando e quase não nos ajudamos.
O não existir me atrai mais. O não ser, o não pensar. Ser apenas um ponto negro num história qualquer. Sem opinar, sem dar o mínimo de interesse à existência.
E um dia depois de muito tempo, olhar pra trás e ver que sempre fui um ponto negro e que com o tempo o ponto ficou cinza. Assim como todo o resto.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

A descoberta do amor

Sentiu- se alegre e triste ao mesmo tempo. Conquistou o espaço em que sempre vivera e descobriu com isso sua identidade. Passara a não ser mais o que sempre fora... Agora era outra. Se queria? Não sei! Só sei que sentiu algo tão bom como se sua vida toda tivesse passado por passar. Sentiu um leve gosto adocicado na boca. Seria isso o amor? Não sabia.
Sabia que descobrira um mundo totalmente diferente do seu, um mundo que ficava tão longe que nem sabia de sua existência. Acho que precisava urgentemente de uma camisa de forças tamanha era sua fúria, sua sede, sua fome... Agora de que? Talvez nem ela soubesse...Queria mais e sempre mais, nada do que lhe dessem seria suficiente. Se encontrava como um ser perdido que enfim foi encontrado. Seus lábio formavam um sorriso, de sua boca saiam palavras doces e seu coração batia a mil por hora... Era feliz? Era! Descobrira essa tal de felicidade e quão boa ela era... E se sentia alegre. Por quanto tempo ia durar? tanto faz... A felicidade em que se encontrava era tamanha e tão forte que aproveitava cada segundo tirando o máximo que podia ser tirado... E sentiu- se amada. E bastou!

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Naquele momento ela procurava dentro de si uma mera resposta por menor que fosse... Algo dentro dela que pudesse expressar o que ela estava sentindo.
Em sua mente 1001 perguntas, mas quem diria as respostas e em que momento?? Ela se sentia como uma intrusa dentro de si. Precisava saber quem era, mas como? Se ninguém sabia.
Era como se o resto do mundo tivesse morado a vida toda ali e ela (só ela) tivesse chegado a 2 segundos. Seu pensamento flutuava, como uma pluma, mas as respostas de que precisava não vinham. E de repente passa um dia, um mês, um ano e o tempo resolvedor de todos os problemas enfim consegue explicar que todos, exatamente todos, precisam da mesma resposta. Porém existem coisas que nem o tempo pode explicar e talvez seja melhor assim...